Medicamento Sujeito a Receita Médica

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

cicloplegicedol® 10 mg/ml colírio, solução
Cloridrato de Ciclopentolato

Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento.
– Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler.
– Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico.
– Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas.
– Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.

Neste folheto:
1. O que é Cicloplegicedol e para que é utilizado
2. Antes de utilizar Cicloplegicedol
3. Como utilizar Cicloplegicedol
4. Efeitos secundários possíveis
5. Como conservar Cicloplegicedol
6. Outras informações

1. O QUE É CICLOPLEGICEDOL E PARA QUE É UTILIZADO

Cicloplegicedol é um colírio, solução que tem como substância activa o Cloridrato de Ciclopentolato, na concentração de 10 mg/ml.

Grupo farmacoterapéutico:
15.3.2 – Medicamentos usados em afecções oculares; midriáticos e cicloplégicos; anticolinérgicos.

O cloridrato de ciclopentolato é um agente anticolinérgico, que possui a propriedade de bloquear os receptores muscarínicos da acetilcolina, originando paralisia do músculo circular da íris e do músculo ciliar. Como resultado desta acção ocorre a dilatação da pupila (midríase) e a paralisia da acomodação (cicloplegia).

Indicações terapêuticas:
Exame do fundo do olho; exames de refracção.
Como midriático no tratamento de irites, iridociclites e coroidites e uveítes.

2. ANTES DE UTILIZAR CICLOPLEGICEDOL

Não utilize Cicloplegicedol
– se tem alergia (hipersensibilidade) ao Cloridrato de Ciclopentolato ou a qualquer outro componente de Cicloplegicedol.
– em indivíduos idosos.
– em caso de glaucoma de ângulo fechado, uma vez que o aumento da pressão intra-ocular pode desencadear um quadro de glaucoma de ângulo fechado.

Tome especial cuidado com Cicloplegicedol
Absorção
Existe o risco, particularmente em crianças, de existir absorção dos compostos ao nível da mucosa nasal, após serem arrastados pela secreção lacrimal e drenagem pelo canal lacrimal. Assim, deve comprimir-se o canto do olho durante alguns minutos (2 a 3 minutos) após a aplicação do colírio na conjuntiva.

Fotosensibilidade
O Cloridrato de Ciclopentolato aumenta a sensibilidade do olho à luz, pelo que se recomenda o uso de óculos, para proteger a vista da acção dos raios ultravioleta.

Crianças
As crianças com paralisia espástica ou com deficiência mental são mais susceptíveis de serem afectadas pelos efeitos colaterais do Cloridrato de Ciclopentolato.

Deve ser utilizada precaução nos doentes com íleos paralítico, com hipertrofia benigna da próstata, insuficiência coronária ou insuficiência cardíaca e ataxia. A recuperação completa da acomodação pode levar até 24 horas.

Ao utilizar Cicloplegicedol com outros medicamentos
O Ciclopentolato pode antagonizar a acção miótica e antiglaucomatosa das substâncias oftálmicas colinérgicas antiglaucoma de longa acção, tais como: demecário, ecotiofato e isoflurofato.
O Ciclopentolato pode interferir com os alcalóides da beladona e com a acção antiglaucomatosa do carbacol e da pilocarpina.
Em caso de absorção sistémica, os efeitos do Ciclopentolato e outros antimuscarínicos pode ser potenciado com o uso concomitante de outros fármacos com propriedades antimuscarínicas, tais como a amantadina, alguns anti-histamínicos, antipsicóticos fenotiazidicos (fenotiazidas), e de anti-depressivos tricíclicos.
Os inibidores da mono-amina-oxidase (IMAO) poderão reforçar os efeitos antimuscarínicos do Ciclopentolato, quando este é absorvido sistemicamente.

Gravidez e aleitamento
Como se verifica absorção sistémica do fármaco, quer na mulher grávida, quer na mulher em amamentação, o Cicloplegicedol a 10 mg/ml colírio, solução deve apenas ser utilizado quando o benefício terapêutico esperado ultrapassar os possíveis riscos.
Não são conhecidos estudos em animais para avaliação do risco de efeitos adversos do ciclopentolato sobre o desenvolvimento embrio-fetal.

Condução de veículos e utilização de máquinas
A condução e/ou utilização de máquinas após a administração de CICLOPLEGICEDOL não é aconselhável, uma vez que este colírio origina uma visão enevoada (alteração da visão).

Informações importantes sobre alguns componentes de Cicloplegicedol
O ácido bórico é incompatível com carbonatos e hidróxidos.

O edetato de sódio reage com a maioria dos iões metálicos divalentes e trivalentes, originando quelatos metálicos solúveis.

Contém cloreto de benzalcónio:
– pode causar irritação ocular.
– passível de descolorar lentes de contacto moles, pelo que deverá evitar o contacto com lentes de contacto moles. Deverá remover as lentes de contacto antes da aplicação e esperar pelo menos 15 minutos antes de as recolocar.

3. COMO UTILIZAR CICLOPLEGICEDOL

Utilizar Cicloplegicedol sempre de acordo com as indicações do médico.
Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.

Modo de administração:
Abrir a tampa do recipiente, e exercer uma ligeira pressão sobre este, fazendo sair o líquido gota a gota na dose recomendada. Após a abertura do frasco, tal como em todos os colírios, este não deve ser utilizado para além dos 28 dias seguintes.

A dose habitual é:
Na refracção cicloplégica:
Administrar 1 gota de colírio de Cloridrato de Ciclopentolato a 10 mg/ml (adultos), seguida por outra gota, cinco minutos depois. O exame deverá processar-se cerca de 30/40 minutos após a última aplicação.

Em oftalmologia:
Administrar como para a refracção cicloplégica.

Uveíte:
Administrar uma gota, 3 a 4 vezes ao dia.

Se utilizar mais Cicloplegicedol do que deveria
O tratamento recomendado em caso de sobredosagem é a suspensão do Ciclopentolato oftálmico, que origina normalmente a recuperação espontânea dos efeitos adversos sistémicos. Em caso de toxicidade severa o antídoto mais usual é a fisostigmina.

Em crianças:
Administrar lentamente 0,5 mg de fisostigmina, por via intravenosa. Se os efeitos tóxicos persistiram e não se verificar os fenómenos colinérgicos, deve repetir-se a administração em intervalos de 5 minutos na dose de 2 mg.

Em adolescentes e adultos:
Administrar lentamente 2 mg de fisostigmina, por via intravenosa. Se os efeitos tóxicos não desaparecerem deve administrar-se uma segunda dose de 1 a 2 mg, após 20 minutos.

A fisostigmina também pode ser administrada por via subcutânea.

Caso se tenha esquecido de utilizar Cicloplegicedol
Se se encontrar ainda longe da próxima aplicação, aplicar de imediato o colírio Cicloplegicedol, sem duplicar a dose. Continuar a aplicar o colírio normalmente a partir dessa altura;
Se se encontrar perto da próxima aplicação, aplicar o colírio só nessa altura, sem duplicar a dose. Continuar a aplicar o colírio normalmente a partir dessa altura.

4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSIVEIS

Como todos os medicamentos, Cicloplegicedol pode causar efeitos secundários, no entanto estes não se manifestam em todas as pessoas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.

Sintomas resultantes da absorção sistémica e que necessitam de atenção médica, tais como:
Confusão, febre, vermelhão da face, alucinações, aumento da sede ou secura bucal, rash cutâneo, fala entaramelada, aumento do volume do estômago, especialmente em crianças, fraqueza ou cansaço não usuais, aceleração dos batimentos cardíacos e retenção urinária.

Sintomas, que necessitam de atenção médica se persistirem, como:
Blefaroconjuntivite, conjuntivite, hiperémia, queratite puntata, visão enevoada, sensação de ardor, fotofobia (aumenta a sensibilidade dos olhos à luz), irritação persistente, alterações visuais e aumento da pressão intra-ocular.

5. COMO CONSERVAR CICLOPLEGICEDOL

– Manter fora do alcance e da vista das crianças.
– Não utilize Cicloplegicedol após o prazo de validade impresso no rótulo e na embalagem exterior, após “válido até:”. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.
– Após a abertura do frasco, Cicloplegicedol colírio, solução não deverá ser utilizado para além dos 28 dias.
– Não conservar acima de 25ºC.
– Conservar na embalagem de origem.
– Manter o recipiente bem fechado dentro da embalagem exterior para proteger da luz e da humidade.
– Tratando-se de um produto exclusivamente para uso oftálmico, ao seu frasco com conta-gotas não deve ser dada qualquer outra utilização.
– Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente.

6. OUTRAS INFORMAÇÕES

Qual a composição de Cicloplegicedol
A substância activa é o Cloridrato de Ciclopentolato.
Os outros componentes são: ácido bórico, cloreto de potássio, edetato dissódico, carbonato de sódio, cloreto de benzalcónio e água altamente purificada.

Qual o aspecto de Cicloplegicedol e conteúdo da embalagem
Cicloplegicedol a 10 mg/ml, apresenta-se sob a forma farmacêutica de colírio, solução, em frasco conta-gotas estéril, contendo 5 ml de solução.
A solução é límpida e incolor.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante
Laboratório Edol – Produtos Farmacêuticos S.A.
Av. 25 de Abril, 6-6A
2795-225 Linda-a-Velha
Portugal
Tel.: (+351) 21 415 81 30
Fax: (+351) 21 415 81 31
e-mail: geral@edol.pt

Este folheto foi aprovado pela última vez em: Novembro de 2014